“Em relação à nossa declaração de 07 de outubro, afirmamos claramente ao povo português e damos esta garantia. Votaremos a favor de tudo o que for positivo para os trabalhadores, para o povo e para o país, estaremos contra medidas que prejudiquem os trabalhadores, o povo e o país. É uma posição clara da nossa parte”


às negociações


"Eu nunca consegui que nenhum economista me explicasse porque tem de ser 3% e não 4%"





“Se isso acontecer não vem mal ao mundo, até porque o Tribunal Constitucional considerou que esses cortes deviam valer até final de 2015. Não é uma radicalização do PCP”