O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, afirmou esta sexta-feira que o Governo PSD/CDS devia seguir o exemplo do Secretário de Estado do Ensino Básico e Secundário, João Grancho, e apresentar a demissão.

«Hoje demitiu-se o Secretário de Estado do Ensino Básico e Secundário invocando razões de ética e razões pessoais. São desculpas esfarrapadas», disse o líder comunista, depois de considerar que o «ano letivo está comprometido, com milhares de alunos sem aulas e milhares de professores por colocar».

«À falta da demissão do ministro foi-se o Secretário de Estado por razões políticas que são óbvias. Mas o que era bom era que o resto do Governo seguisse o exemplo deste Secretário de Estado, que se fossem embora e deixasse o país em paz», disse o dirigente comunista num comício em Alcácer do Sal.

O PS defendeu que a demissão do secretário de Estado do Ensino Básico e Secundário, João Grancho, não resolve os «graves problemas» com que a escola pública está confrontada, nomeadamente a colocação de professores.

«Não vem resolver nada relativamente aos graves problemas da educação, da colocação de professores e dos alunos sem aulas», disse à agência Lusa o deputado socialista Acácio Pinto.

O PS encara a demissão como «um facto político relevante», mas entende que «alguns dos problemas criados» só poderiam ser resolvidos com a demissão de toda a equipa governativa do Ministério da Educação.

«Afinal aquilo que demonstraram neste início de ano letivo é uma grande incompetência técnica e política para lidar com a colocação de professores», afirmou o deputado, que integra a Comissão de Educação da Assembleia da República.

O deputado lembrou que passadas seis semanas sobre o arranque do ano letivo continua a haver milhares de alunos sem professores e docentes por colocar.

«Face a um problema de uma gravidade absoluta, haver uma demissão de um secretário de Estado não resolve nada», frisou.