O secretário-geral do PCP criticou neste sábado a atuação do Presidente da República na gestão da atual crise política considerando-o cúmplice em toda a situação e esperando uma «clarificação» de Cavaco Silva no encontro com os comunistas nesta segunda-feira.

«Não entendemos a posição titubeante do Presidente da República e a sua cumplicidade neste processo que estamos a seguir», disse Jerónimo de Sousa no protesto promovido pela CGTP para exigir a demissão do Governo, que está a decorrer na zona de Belém, em Lisboa.

O líder comunista disse também que «é imperativo» dissolver a Assembleia da República, tendo em conta que este Governo «não tem base social de apoio» e «está derrotado».

«Aquilo que é um imperativo hoje é dissolver a Assembleia e dar a palavra ao povo para procurar outra solução a este Governo e esta política, que está a infernizar a vida dos portugueses», sustentou Jerónimo.

Sobre o entendimento político alcançado entre o PSD e o CDS-PP, o líder dos comunistas afirmou que se «insere no esforço de resolver aquilo que não se pode resolver».

Para o secretário-geral do PCP, trata-se de «um Governo que não tem futuro, de recado e a quem o capital exige que faça o maior estrago possível enquanto for possível».