O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, advertiu esta terça-feira que os problemas decorrentes dos cortes no financiamento do setor da saúde «estão a agravar-se», afirmando que a falência dos sistemas de refrigeração em alguns hospitais é um exemplo.

«As reestruturações e os cortes no Serviço Nacional de Saúde têm reflexos que começam a ser visíveis. Este exemplo, de quatro ou cinco hospitais com o sistema de ar condicionado falido têm uma causa objetiva, falta de manutenção, falta de investimento para que se evitasse», disse, citado pela Lusa.

O secretário-geral do PCP falava à Agência Lusa no final de uma reunião com a direção da Federação Nacional dos Médicos (FNAM), em Lisboa, em que participaram Jorge Pires, da Comissão Política comunista e a deputada Paula Santos.

O DN noticia hoje que, para além do hospital de S. José, em Lisboa, há mais cinco hospitais com falhas nos sistemas de refrigeração, em que as temperaturas atingiram os 35 graus.

No final da reunião com a direção da FNAM, Jerónimo de Sousa rejeitou a «propaganda existente» de que «o setor da saúde está a resolver os seus problemas».

«Não é verdade. Os problemas estão a agravar-se, os profissionais estão profundamente inquietos», afirmou Jerónimo de Sousa, referindo a progressão nas carreiras, a falta de formação para médicos da área da Saúde Pública e Saúde Mental e a mudança de vínculo público para privado como as questões que mais preocupam os profissionais.

«Valorizamos muito o papel das organizações dos trabalhadores, foram os principais obreiros do Serviço Nacional de Saúde», disse.

Por seu lado, Pilar Vicente, da direção da FNAM, disse que no Hospital de S. José, onde se mantém há três dias uma avaria no sistema de ar condicionado da Urgência Polivalente, «tem sido um drama trabalhar» em salas com temperaturas que chegam aos 40 graus.

«Os profissionais trabalham numa situação do mais degradante, há temperaturas de 40 e 42 graus. Há preocupações com as condições de higiene e de infeção, como é óbvio. O cheiro acaba por ser insuportável», disse.

A administração do Hospital de S. José anunciou entretanto que o sistema de ar condicionado voltou a funcionar.