O último deputado da CDU eleito por Coimbra saiu das eleições de 1987, em que a coligação obteve 7,15% dos votos. Foi há demasiado tempo para as aspirações da coligação no distrito. Em 2011, PCP e PEV obtiveram 6,23%. Um resultado insuficiente para alcançar um lugar no Parlamento, mas que agora poderá ser uma boa base de trabalho para as eleições de 4 de outubro. Não é por isso de estranhar que Coimbra surja como destino no segundo dia de campanha oficial.

A CDU apresenta como cabeça de lista Manuel Pires Rocha. Uma aposta repetida no músico de 53 anos, diretor do Conservatório de Música de Coimbra e elemento da Brigada Victor Jara. Mas a música vai ser outra esta segunda-feira, dia em que a campanha começa só à tarde, numa exploração leiteira, em Cioga do Campo, quando forem 17h00.

Ali, Jerónimo de Sousa deverá voltar a um tema que traz na agenda há já algum tempo: o fim das quotas leiteiras e o problema que a decisão europeia representa para os produtores nacionais. 

Este domingo, no comício no Coliseu de Lisboa, o assunto serviu de exemplo para o líder comunista criticar a submissão dos maiores partidos aos “ditames de Bruxelas”. 

"Juntos acertaram o fim das quotas leiteiras e agora vêm chorar sobre o leite derramado”, ironizou. 


À noite, pelas 21h00, a campanha da CDU avança mais uns degraus e parte para as Escadas Monumentais, em Coimbra. A escadaria é um símbolo histórico da contestação estudantil, contestação que deverá ser o prato principal desta noite, num comício realizado à hora do jantar.