O deputado e vice-presidente do PSD Pedro Pinto relativizou, esta sexta-feira, o valor do défice das administrações públicas no primeiro trimestre e defendeu que, se não houver surpresas, as metas orçamentais estabelecidas para este ano serão cumpridas.

«Eu penso que, neste momento, temos todas as condições para dizer que, se não houver nenhuma surpresa no horizonte - do ponto de vista económico essa surpresa não é previsível -, as metas serão atingidas», declarou Pedro Pinto aos jornalistas, na Assembleia da República, num comentário a dados hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

No que respeita ao défice das administrações públicas, que segundo o INE atingiu os 6% no primeiro trimestre deste ano, Pedro Pinto referiu que esse valor «compara com 10% do ano passado», um número «também ele muito superior àquele que foi atingido no final do ano», pelo que deve-se apenas «comparar o que é comparável».

Segundo o vice-presidente da Comissão Política Nacional do PSD, por comparação com o valor do défice no período homólogo do ano passado, trata-se de «uma situação positiva».

Em termos gerais, o deputado social-democrata afirmou que o PSD considera que os dados hoje divulgados pelo INE são «positivos para Portugal».

Pedro Pinto destacou «o índice de confiança dos consumidores e do clima económico», dizendo que «só é comparável ao ano de 2008».

«Temos ainda as taxas de juro em mínimos praticamente de sempre em Portugal, o que demonstra que o caminho que nós estamos a seguir, o rumo que foi traçado e as metas que nos propusemos serão atingidas este ano, o que será bom para Portugal e para os portugueses», sustentou.

CDS diz que é possível cumprir meta de 4%

O CDS-PP considerou que os dados do INE sobre as contas públicas no primeiro trimestre demonstram que é possível cumprir a meta de 4% estabelecida para o défice deste ano.

Em declarações aos jornalistas, na Assembleia da República, a deputada do CDS-PP Cecília Meireles comparou os 4% de défice das administrações públicas do primeiro trimestre deste ano com os 10% de igual período de 2013, concluindo: «Estes dados significam que recuperamos face à comparação com o ano passado e mostram bem que é possível cumprir a meta de 4%».

A ex-secretária de Estado do Turismo disse que no ano passado houve «uma recuperação de quatro pontos percentuais» e a meta do défice foi cumprida, manifestando-se convicta de que o mesmo acontecerá este ano. «Não tenho dúvida nenhuma», afirmou.

«Estes dados, conjugados, em particular, com aquilo que são os números da execução orçamental que têm sido conhecidos, manifestamente mostram que é possível», defendeu Cecília Meireles, referindo que «os dados que têm sido conhecidos da execução orçamental apontam sempre para um cumprimento integral daquilo que são as metas».