O ministro da Agricultura, Capoulas Santos, afirmou hoje que Portugal precisa de um apoio financeiro suplementar por parte de Bruxelas para alargar as medidas na floresta e na prevenção dos incêndios.

Capoulas Santos aproveitou hoje a visita da comissária Europeia Corina Cretu à zona afetada pelo grande incêndio de Pedrógão Grande para expor a necessidade que o país tem de "um apoio financeiro suplementar, não só para alargar as medidas florestais, como também para equipar o novo sistema de prevenção e combate dos incêndios".

O ministro da Agricultura recordou a Comissária Europeia de que Portugal "é o terceiro Estado-membro com melhor execução", tendo já 70% das verbas do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR) até 2020 "comprometidas".

"Foi apresentada uma extensa lista de apoios que consideramos necessários. Queremos negociar entre os vários comissários entre o que desejamos e o que é possível", frisou Capoulas Santos, em declarações aos jornalistas, no final da visita de Corina Cretu.

Segundo o ministro, bons projetos não faltam, mas faltam "os meios financeiros" para serem aplicados.

A comissária europeia da Política Regional, Corina Cretu, visitou hoje alguns locais afetados pelo grande incêndio de Pedrógão Grande, que fustigou a zona em junho.

Na visita, Corina Cretu esteve acompanhada pelo ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, pelo secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson de Souza, pelo secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas, e pela presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), Ana Abrunhosa.