O primeiro-ministro cumpre esta quarta-feira o segundo e último dia da sua visita oficial a Cabo Verde com uma homenagem ao presidente honorário do PS, Almeida Santos, e a inauguração do Museu do Campo de Concentração do Tarrafal.

Em dia feriado nacional em Cabo Verde, dedicado aos "heróis da Nação", António Costa e o seu homólogo cabo-verdiano, José Maria Neves, no município do Tarrafal, na ilha de Santiago, prestam homenagem a Almeida Santos, invocando o contributo que o antigo presidente da Assembleia da República deu no processo de descolonização após a 25 de Abril de 1974, quando desempenhou as funções de ministro da Coordenação Interterritorial.

"Estamos perante um momento de tristeza partilhada por todos e a melhor forma de rendermos homenagem ao combate e luta que nos legou António de Almeida Santos é prosseguirmos este novo ciclo histórico de cooperação que se abriu há 40 anos quando se firmaram os acordos pela independência, designadamente de Cabo Verde", declarou António Costa na terça-feira, como reporta a Lusa.

Outro momento alto do dia de hoje é a inauguração do Museu do Campo de Concentração do Tarrafal, onde entre 1936 e 1954 terão morrido mais de três dezenas de presos políticos resistentes à ditadura do Estado Novo, entre eles o antigo secretário-geral do PCP Bento Gonçalves (1942).

A convite do Governo cabo-verdiano, na sessão estará presente Domingos Abrantes, dirigente histórico do PCP e membro do Conselho de Estado, além do ministro da Cultura, João Soares.

O dia de terça-feira, o primeiro da visita oficial de António Costa, foi marcado por uma série de encontros institucionais, incluindo um com o Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca.

Após esta reunião, o primeiro-ministro português percorreu a pé parte da zona central da cidade da Praia, o "Plateau", acompanhado pela embaixadora de Cabo Verde em Lisboa e pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

António Costa foi reconhecido nas ruas por vários populares, cumprimentou-os com simpatia e acabou o passeio com uma passagem pelo café Sofia, onde tinha à sua espera o seu homólogo, José Maria Neves, com quem bebeu uma cerveja.

Esta visita do primeiro-ministro ocorre já em ambiente de pré-campanha para as eleições legislativas de Cabo Verde, o que ficou bem patente nas conversas que teve com os líderes do MPD (Movimento para a Democracia, o maior da oposição), Ulisses Correia e Silva, e com a presidente do PAICV (Partido para a Independência de Cabo Verde, no poder) Janira Hopffer Almada.

Ulisses Correia e Silva salientou ter uma afinidade de percurso político com António Costa por ter desempenhado as funções de presidente da Câmara da Praia e agora estar a candidatar-se ao lugar de primeiro-ministro de Cabo Verde.

Janira Hopffer, por sua, vez, referiu o facto de o PAICV ser um partido filiado na Internacional Socialista, tal como o PS, tendo defendido a agenda do primeiro-ministro português a favor de uma Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) com liberdade de circulação de pessoas e de mercadorias.