O secretário de Estado da Administração Pública protagonizou um momento particular no Parlamento, oferecendo-se para explicar uma medida a uma deputada do Bloco de Esquerda fazendo «um desenho», mas arrependeu-se pouco depois da proposta.

Hélder Rosalino participava na audição da equipa governamental do Ministério das Finanças que apresentou a proposta de Orçamento do Estado para 2014 aos deputados da Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública quando a ministra das Finanças lhe pediu para explicar questões de vários deputados sobre as mudanças nas pensões.

O governante tentou explicar à deputada do Bloco de Esquerda Mariana Aiveca a questão da aplicação da condição de recursos às pensões de sobrevivência e acusou o partido de fazer um aproveitamento político de uma questão que era técnica e de difícil compreensão para a generalidade dos portugueses.

Mariana Aiveca pediu então a Hélder Rosalino que desse exemplos que fossem de melhor compreensão para os deputados e para os portugueses, altura em que Hélder Rosalino demonstrou a sua frustração por já ter dado várias explicações sobre o mesmo tema e ofereceu-se então para fazer um desenho à deputada a explicar.

«Senhora deputada, eu já lhe expliquei. Não sei como é que lhe hei de explicar isto de outra maneira, já lhe expliquei de várias maneiras. Tenho de fazer-lhe um desenho, eventualmente», afirmou Hélder Rosalino.

A afirmação não caiu bem em especial ao deputado do PS Pedro Marques, que de imediato se dirigiu ao governante para protestar a postura do secretário de Estado, dizendo-lhe várias vezes que aquela afirmação era «evitável».

Hélder Rosalino acabou por se retratar, ainda que de forma discreta, perante a insistência do socialista sobre a postura do governante num debate parlamentar.

«Talvez seja evitável tem razão, então eu retiro esta última formulação», disse então Hélder Rosalino.