O CDS-PP considerou. Esta terça-feira, que o relatório preliminar da comissão de inquérito aos swaps contratados por empresas públicas mostra que estes produtos financeiros são «a marca de água» do Partido Socialista, feitos sob alçada de uma tutela «pouco diligente».

O relatório preliminar conclui que houve «uma gestão imprudente» dos dinheiros públicos naquelas operações, responsabilizando, em particular, o Governo socialista anterior, os gestores públicos e a banca.

Em declarações aos jornalistas, o vice-presidente do grupo parlamentar democrata-cristão Hélder Amaral disse que o partido concorda «genericamente» com as conclusões do relatório.

«Este é um problema essencialmente do Partido Socialista, é a marca de água do Partido Socialista», considerou o deputado.

Hélder Amaral apontou que, entre os anos de 2007 e 2010, foram feitos 69 contratos swap, destacando que o relatório aponta que «há um conjunto de administradores de empresas que, na opinião do CDS, não tinham legitimidade para assinar este tipo de instrumentos de gestão financeira de risco».

«Isto foi feito com a tutela respetiva, neste caso a direção geral de tesouro e finança, pouco diligente ou pelo menos pouco ativa, e da tutela política, normalmente e em muitos casos desligada e demitida da sua função de acionista», considerou.

Para o CDS-PP, este relatório mostra que tanto a Inspeção-geral das Finanças como o Tribunal de Contas fizeram «muita recomendação e pouca ação».