(ACTUALIZADA ÀS 11:10)

Portugal «lamenta profundamente» a morte do Presidente da Guiné-Bissau, João Bernardo «Nino» Vieira, assassinado esta segunda-feira por militares guineenses, refere a Lusa.

Num comunicado enviado, o Governo português diz ainda que vai convocar nas próximas horas uma reunião de emergência da Comunidade Portuguesa de Língua Portuguesa (CPLP) para debater os acontecimentos na Guiné-Bissau.

O ministro dos Negócios Estrangeiros português lamentou a morte do Presidente guineense, considerando que é mais um revés no desenvolvimento do país e prova que «o ciclo de violência e instabilidade política que se abriu há dez anos atrás ainda não foi encerrado».

Em declarações, a partir de Charm-el-Cheik, onde participa na conferência internacional para apoio à reconstrução de Faixa de Gaza, Luís Amado lamentou «os acontecimentos violentos» desta madrugada em Bissau e apelou à «reposição da ordem constitucional».

«Nino» Vieira morreu esta madrugada na sequência de um ataque contra a sua residência.

A casa do Presidente guineense foi atacada na madrugada de hoje por militares das Forças Armadas, poucas horas após o Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas, Tagmé Na Waié, ter morrido num atentado à bomba em pleno Quartel-General, em Bissau.