O Bloco de Esquerda (BE) defendeu esta segunda-feira a necessidade de o Ministério da Agricultura fazer um levantamento dos danos causados pelos incêndios florestais na zona do Vale do Mondego, na Guarda, para que os agricultores sejam apoiados.

Segundo a deputada do BE, Helena Pinto, que visitou esta segunda-feira a área ardida e reuniu com a Associação Distrital dos Agricultores da Guarda e com a direção da Cooperativa Camponeses do Vale do Alto Mondego, os incêndios de 2013 destruíram uma área de 1.800 hectares no Vale do Mondego, dos quais 560 são agrícolas.

«E perante esta situação, não houve técnicos do Ministério da Agricultura que se deslocassem ao local para levantamento dos prejuízos», lamentou a deputada, no final da visita, anunciando que irá apresentar o problema da Assembleia da República (AR).

Helena Pinto disse que «ninguém apareceu» junto dos agricultores lesados e «ainda hoje não há um levantamento dos prejuízos que os incêndios provocaram», situação que considera ser «inconcebível».

«Temos aqui muita matéria para aprofundar, porque é um mau exemplo daquilo que não deve acontecer», disse a deputada, em conferência de imprensa, indicando que o BE vai propor que as associações de agricultores sejam ouvidas em sede da Comissão Parlamentar de Agricultura.

Helena Pinto referiu que o prejuízo global é "muito grande", dando o exemplo da Cooperativa Camponeses do Vale do Alto Mondego que no ano passado laborou 600 toneladas de azeitona no seu lagar e este ano apenas 130.

«Isto é uma quebra brutal. É preciso fazer o levantamento» dos prejuízos, apontou, referindo que o trabalho de campo «tem que ser feito pelos serviços do Ministério da Agricultura».

Na deslocação ao concelho da Guarda, a deputada do BE também ouviu as preocupações dos pequenos agricultores da região quanto às novas normas da fiscalidade.

Disse que a medida do Governo está «a lançar o desânimo nas pessoas», que admitem «deixar de cultivar a terra».

«No Ano Internacional da Agricultura Familiar, o Governo decide fazer este ataque aos pequenos agricultores», observou.

A jornada de Helena Pinto pela região da Guarda começou na Mêda, onde participou na jornada de protesto contra o encerramento do tribunal local.

«É uma insensibilidade brutal deste Governo não perceber que não estamos no tempo de fechar coisa nenhuma», disse a deputada do BE, que também prometeu levar a preocupação do encerramento daquele tribunal «à AR e à ministra da Justiça».

O BE iniciou esta segunda-feira a campanha «Contra a quebra da Justiça», colocando-se ao lado das populações dos concelhos de Mêda e de Fornos de Algodres, onde o Ministério da Justiça pretende encerrar tribunais no distrito da Guarda, indicou Marco Loureiro, dirigente do Secretariado Distrital.