O BE ofereceu esta segunda à noite, em Braga, caldo verde «contra a austeridade» num jantar «alternativo» ao oferecido pelo presidente da República aos chefes de Estado do Grupo de Arraiolos, uma ação popular em que não faltou broa, chouriça e vinho.

«O que o BE fez foi convidar as pessoas para um jantar popular que desse voz a um outro consenso popular, esse sim, muito sentido, pelo desemprego, pela qualidade de vida, por um país que não continue a salvar a banca por cima das possibilidades de quem trabalha», explicou a coordenadora do BE, Catarina Martins, já depois de comer o «caldinho».

A primeira panela de caldo verde, com tudo o que implica o repasto, vinho, broa e chouriça, foi servida por volta das 19:30, cerca de 60 minutos antes da hora marcada para o início do jantar no Largo do Paço, oferecido aos chefes de Estado e convidados do Grupo de Arraiolos, que se reúne em Braga segunda e terça-feira.

«Um caldo verde contra a austeridade», apregoou o ex-deputado do BE à Assembleia da República Pedro Soares.

Ao chamamento responderam cerca de 30 militantes do bloco que, sentados diante de mesas de madeira montadas no meio da rua, aqueceram o estômago num início de noite ameno.

Ao local, atraídos «pelo cheirinho e não pela politiquice», acorreram também cerca de 15 pessoas.

«Estão a oferecer sopa», questionou António Silva. «Sim, em resposta ao manjar que estão a dar ali na Reitoria»; explicou uma militante bloquista.

«Os que ganham bem, comem aquela sopa francesa com nome esquisito e para nós sobra o caldo verde», barafustou António Silva. «Bem, pelo menos há vinho», consolou-se.