O BE anunciou esta quinta-feira que vai chamar ao Parlamento, com urgência, o ministro da Economia, Pires de Lima, sobre a requisição civil dos trabalhadores da TAP decretada pelo Governo para minimizar o impacto da greve na companhia.

O requerimento do Bloco pede a presença de Pires de Lima na comissão de Economia para dar explicações sobre a aprovação hoje pelo Conselho de Ministros da requisição civil dos trabalhadores da TAP para minimizar o impacto da greve de quatro dias, entre 27 e 30 de dezembro, convocada por 12 sindicatos para contestar o relançamento da privatização da companhia aérea.

«O direito à greve não pode ser subjugado à agenda política do Governo, mais empenhado em vender a TAP nas vésperas de acabar o seu mandato do que em fazer respeitar os direitos legais e constitucionais», argumenta a deputada Mariana Mortágua no requerimento.

Mariana Mortágua refere ainda que a decisão do Governo «surge depois de dias de pressão intensa política e mediática sobre os trabalhadores, em que os grevistas foram acusados de tudo um pouco, nomeadamente de não acautelarem os supremos interesses do país».

A requisição civil compreende o conjunto de medidas determinadas pelo Governo destinadas a assegurar o regular funcionamento de serviços essenciais e de interesse público ou de setores vitais da economia nacional.

Os 12 sindicatos representativos dos trabalhadores da TAP convocaram uma greve de quatro dias, entre o Natal e o Ano Novo, para contestar o relançamento da privatização da companhia, decidida em novembro, tendo solicitado a suspensão do processo até estar concluído um conjunto de negociações para salvaguardar os direitos dos trabalhadores.