O Governo português manifestou, este domingo, perplexidade perante «acusações infundadas» do primeiro-ministro grego através de canais diplomáticos, mas não escreveu qualquer carta de protesto, disse à Lusa uma fonte do gabinete do primeiro-ministro.

De acordo com a mesma fonte, o primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho, não falou nem com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, nem com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, nem lhes endereçou qualquer carta de protesto sobre as acusações de Alexis Tsipras de que Portugal e Espanha teriam tentado bloquear um acordo no Eurogrupo. 

O gabinete do primeiro-ministro confirma, contudo, a existência de «contactos através de canais diplomáticos» para sublinhar a perplexidade do Governo português perante acusações que classifica de «infundadas» de Alexis Tsipras. 

Leia também: Bruxelas «a par do descontentamento» de Portugal e Espanha

O chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, considerou também este domingo que a Espanha não é responsável pela «frustração gerada pela esquerda radical grega, que prometeu aos gregos aquilo que já sabia que não conseguiria cumprir». 

Este domingo, como chegou a ser noticiado pela agência EFE, uma fonte do Executivo espanhol tinha afirmado que Portugal e Espanha enviaram às presidências da Comissão Europeia e do Conselho Europeu um protesto conjunto contra as declarações de Alexis Tsipras, cuja iniciativa teria partido de Lisboa, mas a posição do gabinete de Passos Coelho desmente essa versão. 

No sábado, numa reunião do comité central do Syriza, Alexis Tsipras afirmou que, no Eurogrupo, a Grécia se deparou «com um eixo de poderes, liderado pelos governos de Espanha e de Portugal que, por motivos políticos óbvios, tentou levar a Grécia para o abismo durante todas as negociações». 

«O seu plano era e é desgastar-nos, derrubar o nosso Governo e levá-lo a uma rendição incondicional antes que o nosso trabalho comece a dar frutos e antes que o exemplo da Grécia afecte outros países, principalmente antes das eleições em Espanha», previstas para o final deste ano, acrescentou Tsipras, citado pela agência espanhola Europa Press.