O ex-presidente da Câmara do Porto Rui Rio apelou, este sábado, ao «bom senso» de parte a parte na questão da dívida da Grécia. Se não houver, poderá acontecer «um choque brutal».

«Tem de haver aqui bom senso de parte a parte. Espero que haja bom senso da Europa, e particularmente da Alemanha, e também bom senso da parte da Grécia. Se não houver bom senso de uma das partes, isto é um choque brutal. A saída da Grécia é um choque brutal, o não pagamento da dívida é um choque brutal, o colapso da economia grega é um choque brutal».


A dívida é uma questão essencial para o novo governo da Grécia, eleito no passado domingo, figurando no centro das negociações com os parceiros europeus, principais credores de Atenas.

Para Rui Rio, «tem de haver da parte da Europa um esforço no sentido de entender o que aconteceu na Grécia», mas Atenas também «tem de entender que tem compromissos que assumiu e que tem de cumprir».

O ex-autarca do Porto lembrou que «o povo grego sofreu muito» e que expressou a sua «revolta» através do voto, dando a vitória ao Syriza. «Temos de ser capazes de entender essa revolta, na medida do possível. Se formos muito firmes, se houver um grande braço de ferro, quer de um lado quer do ouro, vai correr mal», rematou.

A chanceler alemã, Angela Merkel, manifestou-se, este sábado, contra um alívio da dívida da Grécia, numa entrevista publicada pelo jornal «Hamburger Abendblatt».