Mário Soares considera que Pedro Passos Coelho se devia ter demitido na sequência dos resultados eleitorais de domingo. Num artigo de opinião, no «Diário de Notícias», Soares adivinha que Passos não se terá demitido, «certamente porque se julga eterno».

«Não seguiu o bom exemplo de Guterres. (...) Assim vai acabar mal. Muito mal. É que o Povo está farto - odeia-o ¿ e não vai aguentar muito mais tempo esta situação», sublinha.

«Passos Coelho reconheceu a derrota. É verdade. E até felicitou António José Seguro, líder do PS. Mas logo a seguir disse que não tencionava demitir-se... Certamente porque se julga eterno, por direito divino, se calhar, visto que até perdeu na sua própria terra, Vila Real de Trás-os-Montes», disse ainda.

Neste regresso à coluna de opinião no DN, Soares acusa o atual Governo de estar «a vender o património português ao desbarato e a roubar as pensões aos mais pobres, acabando, ao mesmo tempo, com a chamada classe média». «Carateriza-se por não cumprir a Constituição», acrescenta.

Soares diz que o Governo «não tem nenhuma solidariedade social» e que «as pessoas não lhe interessam».

O histórico socialista aproveita ainda para apontar baterias a Cavaco Silva dizendo que «agora deu-lhe para viajar. É uma outra maneira de fugir a falar aos seus compatriotas».