PSD e CDS-PP querem «clarificar o debate» e saber qual é a «alternativa da oposição» sobre o Documento de Estratégia orçamental (DEO) 2014-2018, revelaram hoje os líderes parlamentares de ambos os partidos.

Falando no parlamento no final da conferência de líderes, que esta manhã confirmou o agendamento para amanhã de alguns projetos de resolução sobre o DEO, Luís Montenegro (PSD) e Nuno Magalhães (CDS-PP) reconheceram que o documento «vai ter de ser modificado», depois de chumbos recentes do Tribunal Constitucional (TC).

«Temos a consciência clara que o DEO vai ter de ser atualizado, vai ter de ser modificado, em função das últimas decisões do TC», reconheceu Luís Montenegro, que advertiu todavia que a maioria não se vai «eximir» a discutir a estratégia orçamental do país «na perspetiva da oposição, de rejeição pura e simples, de estarem contra tudo e contra todos».

«Aguardaremos por uma nova oportunidade, quando o Governo reformular o documento em função da decisão do TC, para apresentar a nossa resolução sobre esta matéria», sustentou ainda o líder parlamentar social-democrata.

Já o centrista Nuno Magalhães defendeu que o debate de quinta-feira será «importante do ponto de vista da alternativa, para clarificar o debate e os portugueses perceberem qual a alternativa da oposição».

«Apesar das vicissitudes» resultantes das alterações que o DEO sofrerá «não deixa de ser importante» a discussão parlamentar de quinta-feira, reforçou.

Segundo o porta-voz da conferência de líderes, o deputado do PSD Duarte Pacheco, serão discutidos projetos de resolução sobre o DEO de PCP, BE, PS e «Os Verdes», estes últimos entrados já fora de horas, mas que mereceram aval positivo para serem debatidos.