Num balanço às medidas de apoio tomadas para responder aos trágicos incêndios de junho no Pinhal Interior, o ministro Pedro Marques salientou que estão já atribuídos apoios na ordem dos 100 milhões de euros, com vários avisos de candidaturas lançados em várias áreas, segundo noticia a agência Lusa.

Hoje mesmo fazemos os primeiros pagamentos às empresas afetadas e muitos mais serão feitos nas próximas semanas, porque até agora só recebemos três candidaturas", frisou o ministro, que esteve em Penela, explicando que os apoios atribuídos se destinam à recuperação de maquinaria.

39 milhões para empresas do Centro

Na ocasião, o ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, anunciou esta sexta-feira haver 39 milhões de euros de apoio para 36 projetos de áreas de acolhimento empresarial na região Centro, dos quais cerca de uma dezena situam-se no Pinhal Interior.

Estes projetos são para transformar antigas instalações industriais em novas zonas de localização para outras empresas ou criar novas zonas industriais, nos locais em que já estavam completas e não existiam novos lotes para instalação de empresas", explicou.

O ministro falou aos jornalistas no final da cerimónia de apresentação das áreas de acolhimento empresarial da região Centro e da assinatura dos termos de aceitação dos apoios do Portugal 2020 pelos presidentes das Câmaras de Penela, Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande, que decorreu em Penela, no distrito de Coimbra.

Segundo Pedro Marques, os apoios aos projetos de áreas de acolhimento empresarial provêm do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) e vão resultar num investimento total de 100 milhões de euros e ajudar à diversificação da atividade económica e criação de mais emprego.

Viemos aqui também para dizer que acreditamos na revitalização dos territórios do Pinhal Interior e que as autarquias destes territórios ainda antes dos incêndios acreditaram na importância da diversificação da atividade económica", disse.

Na ótica do ministro do Planeamento e Infraestruturas, a "ideia da diversificação económica dos territórios é muito importante”

Teremos, no futuro, nos termos do trabalho que estamos a fazer com os municípios mais afetados [dos incêndios de junho], um programa de revitalização económica do Pinhal Interior, que além de passar pelo ordenamento e valorização da produtividade da floresta, tem de passar por mais diversificação da atividade económica".

O Programa de Valorização das Áreas Empresariais, que tem como objetivo reforçar a competitividade das empresas, potenciar a criação de emprego e aumentar as exportações, representa um investimento global de 180 milhões de euros e desenvolve-se em dois eixos, nas três regiões da convergência (Norte, Centro e Alentejo).

Para a criação e expansão de áreas empresariais estão previstos 78 milhões de euros, enquanto 102 milhões de euros se destinam a 12 ligações rodoviárias que vão melhorar as ligações de áreas empresariais já consolidadas aos principais eixos rodoviários e ferroviários.