O primeiro-ministro português, António Costa, admitiu esta quarta-feira em Macau que a base aérea das Lajes pode ser usada pela China se os Estados Unidos não renovarem o acordo de exclusividade, mas apenas para fins científicos e não militares.

"Temos um acordo com os Estados Unidos, e queremos continuar com esse acordo, mas respeitamos a decisão" dos norte-americanos, disse António Costa numa entrevista difundida pela agência de informação financeira Bloomberg.

A base nos Açores é muito importante em termos militares, mas também em termos de logística e tecnologia e pesquisa nas águas profundas e de alterações climáticas", disse António Costa.

Perante a insistência do jornalista da Bloomberg sobre a utilização da base aérea pela China, Costa admitiu: "Claro que é uma boa oportunidade para criar uma plataforma de pesquisa científica e estamos abertos a cooperação com todos os parceiros, incluindo a China".

O primeiro-ministro, na entrevista que concedeu à Bloomberg em Macau, vincou, no entanto, que "o uso militar da base não está em cima da mesa, o que está em cima da mesa é reutilizar a infraestrutura para fins de pesquisa".

Seria uma enorme pena não usar a infraestrutura, e se não para fins militares, porque não para pesquisa científica", questionou o chefe do Executivo no final da entrevista.

Antes, já António Costa tinha garantido que Portugal não tem qualquer problema com os investimentos chineses, que classificou de muito positivos para a economia.

Portugal tem sido sempre uma economia aberta, e o investimento chinês tem sido muito positivo, particularmente no setor financeiro, mas também na energia e noutros, por exemplo, o investimento chinês permitiu recapitalizar os nossos bancos", disse António Costa.

Sobre a banca, disse aliás que "no final do ano esperamos ultrapassar os problemas com os bancos" e ter "uma solução com crédito malparado".

Questionado sobre se está confortável com a diversidade de áreas em que o investimento da segunda maior economia do mundo tem estado a ser feito, António Costa disse sentir-se "bastante confortável" e exemplificou que também há investimento avultado de Espanha e Angola.

"Queremos uma economia aberta, queremos diversificar as fontes de investimento, e vemos isso como uma vantagem e não como uma desvantagem", vincou o chefe do Governo.

Questionado sobre as consequências da saída do Reino Unido da União Europeia, Costa disse estar "confiante de que as relações centenárias entre os dois países vão permanecer fortes".