O candidato presidencial, Paulo Morais, disse, esta quarta-feira, estar "preocupado" por ver o Presidente da República "sem pressa" em nomear um governo estável e defende convocação do Conselho de Estado sem Marcelo Rebelo de Sousa.

"Acho que já tarda uma solução e estou preocupado porque, por um lado, vejo o Presidente sem pressa e acho que a solução urge e, além disso, vejo ainda perspetivar muito tempo ainda e a situação está a tornar-se pantanosa".


À margem de uma visita à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV), em Lisboa, Paulo Morais disse à agência Lusa que Cavaco Silva deveria convocar o Conselho de Estado e ouvir os candidatos presidenciais.

"[Cavaco Silva] Parece não querer ouvir o Conselho de Estado que é o seu órgão de aconselhamento formal e está a ouvir outras entidades. Já que o faz, acho que então deveria ouvir também os candidatos a presidente da República porque são quem vai ter de tratar deste dossiê mais tarde", sustentou.

Ao convocar o Conselho de Estado, Paulo Morais considerou que Marcelo Rebelo de Sousa deveria abdicar das suas funções.

"Acho que Marcelo Rebelo de Sousa deveria ter abdicado do seu lugar no Conselho de Estado no exato momento que apresentou a sua candidatura à Presidência da República. Do meu ponto de vista, há um claro conflito de interesses", defendeu.


Paulo Morais sublinhou ainda que Portugal "precisa de voltar à normalidade democrática", através de um "governo formal" e não um governo de gestão, para não deixar "a batata quente" na mão do próximo Presidente da República.

O candidato mostrou-se ainda "perplexo" com a "sede de poder" demonstrada pelos partidos.

"Fico perplexo com a discussão pública de tomada de poder. Quer do lado da chamada direita tradicional, quer da esquerda, vejo uma grande sede de poder e pouca preocupação com os reais problemas dos portugueses",