A demissão do ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, marca o fim do próprio Governo, afirmou o ex-ministro Pedro Silva Pereira, em declarações à TVI24.

Para o ex-ministro do Governo de José Sócrates, a «demissão de Paulo Portas é muito mais do que a demissão de mais um ministro, assinala o fim da coligação do Governo, o fim do Governo».

Para Silva Pereira, «o Governo acaba da pior maneira, com uma desagregação aos olhos dos portugueses que chega a ser impressionante», um Governo que «se desfaz perante os nossos olhos».

O socialista lembrou que os membros deste Executivo «provocaram uma crise política há dois anos, empurraram o país para um pedido de ajuda externa e chegam aqui, ao final de dois anos, com um Governo totalmente falhado, que tem, como disse ontem o próprio ministro das Finanças na sua carta de demissão, a credibilidade minada pelo incumprimento, pelo falhanço das metas e despede-se deixando o país pior do que encontrou».

«É um Governo falhado», reiterou.

Além das críticas ao chefe do Governo, que «não foi capaz de liderar», Silva Pereira deixa também fortes críticas ao Chefe de Estado, o único que «teimava em não ver» que o Governo «não tinha condições» para continuar.

«(Cavaco Silva) é também muito responsável por ter apostado tudo nesta solução governativa, antes mesmo de ela existir, por não ter promovido os consensos políticos que até tinham condições muito favoráveis em razão do programa de assistência financeira com o qual Portugal se tinha comprometido», afirmou.