O cabeça de lista do PCTP/MRPP por Lisboa às legislativas, Garcia Pereira, afirmou esta quarta-feira que a campanha eleitoral "tem sido uma farsa" e que há temas "tabu" que não têm sido discutidos pelos partidos.

Numa ação de campanha realizada esta tarde à porta da OGMA - Indústria Aeronáutica de Portugal, em Alverca, em declarações à agência Lusa, Garcia Pereira queixou-se da ausência na campanha eleitoral de temas como o Euro, a dívida e o tratado orçamental.

"É uma verdadeira farsa, porque tivemos temas tabu. Em particular a questão da dívida, do euro, do tratado orçamental, que impõe aos países mais fracos, como o nosso respeito por um défice orçamental que é apenas para cumprir por esses países mais fracos", criticou.


O candidato do PCTP/MRPP apontou, ainda, a Justiça como outro dos temas que tem ficado "arredado" da discussão política durante esta campanha: "Uma justiça criminal que deixa completamente à solta, deixa passar os prazos, nada descobre, quando se trata dos casos Portucale, dos submarinos, da dívida pública da Madeira".

À porta da OGMA, Garcia Pereira distribuiu panfletos, com o programa do partido, aos trabalhadores da empresa e deixou uma mensagem de esperança: "Vimos aqui dizer que se devem erguer em luta. Foram eles que foram as principais vítimas das medidas de austeridade, para pagar uma dívida que não foram eles que contraíram", justificou.

Garcia Pereira defendeu, ainda, a subida do salário mínimo nacional para os 555 euros e que as pensões e reformas não sejam inferiores a este valor.

"No próximo dia 04 de outubro, os votos quer nos partidos da traição nacional (PSD/CDS-PP) quer no partido dito socialista (PS) representarão mais quatro anos de desgraça", concluiu.