O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, recebeu esta quarta-feira das mãos do presidente francês, François Hollande, a mais alta condecoração francesa, pelo trabalho à frente da Comissão Europeia, que está prestes a abandonar ao cabo de 10 anos.

A atribuição das insígnias de Grande Oficial da Legião de Honra teve lugar no Eliseu, por ocasião de uma visita de José Manuel Durão Barroso a França, para encontros bilaterais com François Hollande, e também com o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, para discutir assuntos relativos à cimeira de chefes de Estado e de Governo da União Europeia, que se celebra a 16 de Julho em Bruxelas.

Com a atribuição desta condecoração, a França distingue o antigo primeiro-ministro português pelo seu trabalho desde 2004 à frente do executivo comunitário, «em particular pelo seu papel na gestão das mais recentes crises na Europa e em prol da união dos países europeus», tendo fonte comunitária indicado à Lusa que o presidente da Comissão se manifestou «honrado e até emocionado», acrescentando que a condecoração significa o «compromisso profundo da França com a integração europeia».

Durão Barroso completa no final do próximo mês de outubro o segundo mandato à frente da Comissão Europeia, igualando o recorde de longevidade de um presidente do executivo comunitário, que estava na posse de um francês, Jacques Delors (1985-1995).

Na próxima semana, em Estrasburgo, o luxemburguês Jean-Claude Juncker deverá ser confirmado, numa votação no Parlamento Europeu, como o sucessor de Durão Barroso, e o Conselho Europeu da próxima semana tem como objetivo discussões entre os líderes europeus sobre a atribuição dos restantes altos cargos institucionais, designadamente a presidência do Conselho Europeu, o cargo de Alto Representante da UE para os Negócios Estrangeiros, e a presidência do Eurogrupo.