Francisco Louçã, ex-coordenador bloquista, defendeu hoje, na IX Convenção Nacional do Bloco de Esquerda, que a disputa pela liderança do partido é «muito injustificada», e que as forças do partido se devem concentrar no «problema financeiro português», nomeadamente numa ousada «luta contra a dívida».

À entrada para a convenção, no Pavilhão do Casal Vistoso, em Lisboa, Louçã referiu que a luta política da direção do partido nos últimos dois anos foi «duríssima», mas que «toda a esquerda está aquém do que era esperado».

«Todos nós estamos aquém do que era esperado, a esquerda não conseguiu responder à ‘troika' e não há problemas particulares de um partido ou de outro, Portugal tinha de ter respondido e nós não conseguimos responder o que era preciso, não há hoje uma alternativa que para que se olhe e que se diga ‘esta gente vai governar para nos salvar dos juros, para nos salvar da Merkel'», afirmou. 

O antigo coordenador do BE defendeu ainda serem necessários mais meios para combater corrupção e criminalidade complexa, mas recusou fazer juízos «precipitados» sobre a detenção do ex-primeiro ministro José Sócrates.