O cabeça de lista do PS às europeias, Francisco Assis, defendeu hoje que «este não é o momento» para determinar uma eventual política de alianças com o PSD, considerando que é preciso «esperar pelos resultados das legislativas».

«Este não é o momento para se estar a determinar com quem se vai deixar de fazer [alianças] ou fazer. Vamos esperar pelos resultados das legislativas», afirmou Francisco Assis.

O primeiro candidato socialista ao Parlamento Europeu respondia a uma pergunta do mandatário da candidatura do Bloco de Esquerda, o major Mário Tomé, durante um debate na associação 25 de Abril com os candidatos Paulo Rangel (PSD/CDS-PP), João Ferreira (CDU) e Marisa Matias (BE).

«Quando se realizarem eleições legislativas, cada um apresentará os seus projetos, os seus programas, o país decidirá e depois ver-se-á quais são as soluções», declarou.

Assis reiterou uma ideia que já tem veiculado de que há «outro PSD do que aquele que está neste momento a dominar».

«Basta, aliás, ligar as televisões, todas as noites, todas as semanas, para ver que há pessoas do PSD que estão verdadeiramente indignadas com as políticas que têm vindo a ser prosseguidas e são pessoas que já tiveram as mais altas responsabilidades no partido», disse.

Assis disse que no Parlamento Europeu os socialistas portugueses, «como sempre», estarão disponíveis «para os compromissos que forem necessários, sem por em causa determinados princípios fundamentais».

«Em Portugal, eu também julgo que essa questão deve ser discutida sem qualquer tabu», declarou.

Para Assis, neste contexto, é também necessário que os «partidos que se situam à esquerda do PS abandonem posições muitas vezes demasiado fechadas, nomeadamente em termos europeus e que prejudicam a possibilidade de obtenção de consensos».