Seguro espera «grande vitória» de Hollande

«Europa em causa» nas presidenciais de França

Por: Redação / CP    |   22 de Abril de 2012 às 16:01
O secretário-geral do PS espera uma «grande vitória» de François Hollande nas eleições presidenciais em França, considerando que se trata de um ato eleitoral de grande importância para o futuro da Europa.

«São os franceses que votam, mas também é a Europa que está em causa nas eleições que estão hoje decorrer para a presidência francesa», afirmou António José Seguro, em declarações aos jornalistas na Ribeira Grande, nos Açores.

O líder socialista manifestou, por isso, o desejo de que este «seja um dia de grande esperança para a Europa com uma vitória de François Hollande na primeira volta das eleições presidenciais francesas».

«Tenho trabalhado intensamente com outros líderes socialistas europeus no sentido de a Europa escolher outro caminho, que coloque o emprego e o crescimento económico como prioridade, e colocamos todos hoje muitas esperanças nas eleições francesas», afirmou.

Este domingo vão a votos 10 candidatos, da extrema-esquerda à extrema-direita, mas, na última ronda de sondagens, François Hollande surge em primeiro lugar, com resultados entre os 27 e os 30 por cento. As intenções de voto em Nicolas Sarkozy surgem em queda, entre os 25 e os 26,5 por cento.

As sondagens indicam que na segunda volta Hollande tem entre 7 e 14 pontos percentuais de vantagem sobre Sarkozy.

Nunca na V República francesa (instituída pela Constituição de 1958) um candidato presidencial conseguiu ser eleito à primeira volta. A confirmar-se, a segunda volta das eleições presidenciais em França está agendada para o dia 6 de maio. A campanha para a segunda volta começa na próxima sexta-feira.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Seguro
Seguro
COMENTÁRIOS

PUB
Requisição civil permite realizar todos os voos previstos

Depois do braço de ferro com os sindicatos e de vários apelos, o Executivo anunciou em Conselho de Ministros que decreta a requisição civil para evitar a greve na TAP. Objetivo é minimizar o impacto da greve de quatro dias, entre o Natal e o Ano Novo, que foi convocada por 12 sindicatos para contestar o relançamento da privatização da companhia aérea. O anúncio foi feito pelo ministro da Economia, Pires de Lima, que justificou: é «uma situação excepcional»