Reforma: finanças não vão fechar como os tribunais

PS diz que Governo garante diálogo na reforma dos serviços de finanças

Por: tvi24    |   27 de Janeiro de 2014 às 20:09
O líder dos autarcas socialistas afirmou ter recebido a garantia do Governo de que serviços de finanças não serão encerrados sem um processo de diálogo prévio, condição que, no entanto, não se estendeu ao fecho de tribunais.

José Luís Carneiro, também presidente da Federação do Porto do PS, falava aos jornalistas em conferência de imprensa, depois de ter estado reunido com o secretário de Estado da Administração Local, António Leitão Amaro.

"Sentimos abertura do secretário de Estado da Administração Local para as propostas alternativas do PS. Foi dada a garantia de que o Governo não irá proceder ao encerramento de serviços de finanças sem que haja um processo prévio de diálogo e sem que antes sejam contratualizadas soluções concretas que assegurem que esses serviços continuarão a ser prestados às comunidades locais", disse o presidente da Associação Nacional de Autarcas (ANA) do PS.

No entanto, de acordo com José Luís Carneiro, a mesma garantia não foi dada pelo executivo em relação ao encerramento de tribunais.

"Infelizmente não tivemos a mesma resposta clara relativamente ao encerramento de tribunais. Entendemos que há soluções que possibilitam a continuação da administração da justiça em cada um dos 308 concelhos do país", disse.

Segundo o dirigente socialista, os autarcas do PS "compreendem e aceitam a necessidade de Portugal ter um Estado mais ágil, mais humanizado na relação com os cidadãos e com uma gestão dos recursos públicos mais eficiente".

"Temos um conjunto de propostas alternativas. Umas foram apresentadas ao secretário de Estado da Administração Local e outras serão apresentadas no âmbito da Convenção Novo Rumo do PS", acrescentou o líder dos autarcas socialistas.
PUB
COMENTÁRIOS

PUB
Grécia: o dia que pode decidir o futuro do projeto europeu

Cerca de 10 milhões de gregos decidem hoje se aceitam ou não as propostas apresentadas pelos credores há mais de uma semana, através de um referendo convocado por Alexis Tsipras. As urnas fecham às 19:00 (17:00 em Lisboa). O caos estendeu-se às sondagens que, espelhando um país dividido, não deixam antecipar nenhum resultado. O boletim tem apenas duas respostas, "Sim" ou "Não", mas o que vai acontecer à Grécia depois do dia de hoje conduz-nos a múltiplos cenários