O PS desafiou hoje o Governo a recuar na decisão de enviar para requalificação cerca de 700 funcionários da Segurança Social e disse suspeitar estar em marcha um processo de privatização de alguns setores nesta área.

Estas posições foram transmitidas aos jornalistas pelo líder parlamentar socialista, Ferro Rodrigues, a meio de uma audição pública promovida pelo Grupo Parlamentar do PS sobre a situação da Segurança Social pública.

«O processo que está a ser seguido pelo Governo apenas se destina a colocar pessoas em casa para mais tarde afastá-las do sistema, depois de terem trabalhado muitos anos na Segurança Social pública. É um processo incompreensível e espero que o Governo recue, porque não há lógica nenhuma em nada do que se está a passar», sustentou Ferro Rodrigues.

Ferro Rodrigues, que foi ministro do setor da Segurança Social no primeiro executivo liderado por António Guterres, rejeitou a explicação do Governo sobre esta matéria, contrapondo que as pessoas «afastadas tinham funções atribuídas, tendo grande parte delas um percurso profissional de mérito».

«Portanto, isto só pode ser visto como mais uma medida de caráter ideológico no sentido de uma tentativa de privatização de certas áreas da Segurança Social, tratando as pessoas sem qualquer preocupação pela sua dignidade e seriedade de processos. Consideramos que este processo é dos tais que vai ser certamente revogável», acrescentou o antigo líder do PS.