O Presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, vai efetuar uma visita oficial ao Luxemburgo, entre segunda e terça-feira, deslocando-se em seguida a Estrasburgo, França, para a reunião de homólogos da União Europeia.

Segundo informou esta sexta-feira o gabinete de Ferro Rodrigues, a deslocação a território luxemburguês partiu de um convite do presidente da Câmara dos Deputados daquele Grão-Ducado, Mars Di Bartolomeo, e o segundo mais alto magistrado da nação portuguesa vai ser acompanhado por uma delegação Grupo Parlamentar de Amizade Portugal-Luxemburgo: Paulo Pisco (PS), Carlos Alberto Gonçalves (PSD), Pedro Filipe Soares (BE), Jorge Machado (PCP) e Isabel Galriça Neto (CDS-PP).

Além de Mars Di Bartolomeo, o Presidente da Assembleia da República e sua delegação têm encontros agendados com a Comissão de Negócios Estrangeiros, da Defesa, da Cooperação e da Imigração, o ministro da Justiça, o ministro do Trabalho, do Emprego e da Economia Social e Solidária, o ministro da Educação luxemburgueses e com representantes da comunidade portuguesa.

Ferro Rodrigues será também recebido, em audiência, pelo Grão-Duque Henrique do Luxemburgo.

Do programa de Ferro Rodrigues no Luxemburgo consta a visita à exposição "Luxemburgo-Portugal, 125 anos de relações diplomáticas", no Museu Nacional de História de Arte do grão-ducado.

Depois, entre 14 e 16 de setembro, o presidente da Assembleia da República vai estar na conferência europeia de presidentes de parlamentos (Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa), que se realiza de dois em dois anos, em Estrasburgo.

O evento terá como temas "migrações e crise dos refugiados na Europa - papel e responsabilidades dos parlamentos", "os parlamentos nacionais e o Conselho da Europa: promover em conjunto a democracia, os direitos humanos e o estado de direito", "mobilização dos parlamentos contra o ódio com vista a sociedades inclusivas e não racistas". Ferro Rodrigues tem intervenções programadas para os dois últimos assuntos.

Ferro Rodrigues vai ser ainda recebido em audiência pelo presidente do Parlamento Europeu, o alemão e também socialista Martin Schulz.