O Presidente da República exonerou Joaquim Pais Jorge de secretário de Estado do Tesouro, sem informar de uma nova nomeação para o cargo.

«Nos termos do artigo 133.º, alínea h), da Constituição, o Presidente da República exonerou, a seu pedido e sob proposta do Primeiro-Ministro, o dr. Joaquim Pais Jorge do cargo de secretário de Estado do Tesouro», anunciou a Presidência da República no seu sítio oficial na internet.

A proposta de swap que o Citigroup fez, em 2005, a assessores económicos do Governo PS para baixar o défice orçamental levou Joaquim Pais Jorge a pedir, na quarta-feira, a demissão de secretário de Estado do Tesouro, cargo que ocupava desde o início de julho.

De acordo com o documento divulgado em primeira mão pela revista «Visão» no dia 1 de agosto, e que a Lusa divulgou no mesmo dia, Joaquim Pais Jorge constava da equipa responsável pela proposta apresentada pelo Citigroup, banco em que era diretor.

Num comunicado enviado na terça-feira pelo Ministério das Finanças, o gabinete liderado por Maria Luís Albuquerque disse que o documento que implica Joaquim Pais Jorge nos contratos swap foi manipulado e indica que uma das «discrepâncias» é «um organigrama inverosímil, que não consta da apresentação original».

Apesar disso, na quarta-feira, Pais Jorge apresentou a demissão, afirmando que não tem de se «sujeitar» ao tratamento mediático de que foi «alvo nos últimos dias».

Os ex-assessores económicos de José Sócrates confirmam na quinta-feira que tiveram reuniões em 2005 com representantes do Citigroup, entre eles Joaquim Pais Jorge, onde lhes foram propostos swaps para reduzir artificalmente o défice orçamental.

Vitor Escária e Óscar Gaspar sublinham que o Governo «nunca executou nenhuma destas operações» e que «estas ideias nunca foram sequer levadas ao conhecimento do primeiro-ministro», José Sócrates.