O PS conquistou a maior percentagem de votos nas eleições europeias de domingo no concelho de Baião, enquanto a coligação Aliança Portugal, formada por PSD/CDS-PP, teve o melhor resultado em Vagos.

O concelho que mais votou CDU foi Avis e foi em Câmara de Lobos, na Região Autónoma da Madeira, onde o Partido da Terra alcançou mais votação.

Já o Bloco Esquerda conseguiu o melhor resultado em Condeixa-a-Nova, concelho de onde é natural a sua cabeça de lista, Marisa Matias.

Dados da Direção Geral de Administração Interna relativos às 12:30 de hoje revelam que em Baião, distrito do Porto, o PS teve 58,49% dos votos. Já Calheta, na Madeira, deu o pior resultado ao PS, com 11,35% dos votos.

Vagos, distrito de Aveiro, foi o concelho onde a coligação Aliança Portugal, formada pelos partidos da maioria, alcançou a maior votação ¿ 60,37% - enquanto a menor percentagem de votos para PSD e CDS-PP foi em território alentejano, Aljustrel, Beja, com 4,63%.

A CDU ultrapassou os 50% dos votos em Avis, distrito de Portalegre, com 51,1%, mas em Aguiar da Beira, Guarda, não foi além de 1,29%.

No Corvo, Açores, o BE não registou sequer um voto, mas em Condeixa-a-Nova, Coimbra, obteve 582 e uma percentagem de 12,02%, o melhor resultado do Bloco no ato eleitoral de domingo, mas longe de ser o partido mais votado, como tinha sucedido na europeias de 2009, dando agora lugar ao PS.

O Partido da Terra teve a maior votação em Câmara de Lobos, município onde tem um vereador eleito, e foi em Cuba, Beja, que registou menos boletins de voto, 24, correspondentes a 1,54% de votação.

O PS é o partido com mais mandatos nas eleições europeias de domingo depois de apurados os resultados em 3.092 freguesias de Portugal e em 56 dos 71 consulados, segundo dados da Direção Geral de Administração Interna.

Os resultados indicam sete deputados (31,45%) para o PS, seis (27,71%) para a Aliança Portugal (PSD/CDS-PP), dois (12,68%) para a CDU (PCP-PEV), um (7,15%) para o Partido da Terra (MPT) e outro (4,56%) para a Bloco de Esquerda, faltando atribuir quatro dos 21 mandatos de Portugal no Parlamento Europeu, que dependem dos resultados no estrangeiro.

A abstenção é de 66,1%.