O cabeça de lista da coligação «Aliança Portugal» às europeias, Paulo Rangel, defendeu hoje, em Braga, a implementação de um programa europeu para a natalidade, extensivo aos 28 países, para combater o «inverno demográfico» da Europa.

Para Paulo Rangel, aquele programa deverá integrar um conjunto de medidas que foram aplicadas nos países nórdicos, como Suécia e Dinamarca, onde «houve verdadeira inversão de um inverno demográfico para uma taxa de natalidade auspiciosa, muito positiva».

«Defendemos programas desse tipo, mas à escala europeia», afirmou Rangel, após uma reunião com o arcebispo de Braga, Jorge Ortiga, onde esteve acompanhado do primeiro candidato do CDS Nuno Melo (quarto na lista da coligação) e de José Manuel Fernandes, sétimo na lista.

Sublinhou que as medidas devem passar, essencialmente, por apoios às famílias que tenham filhos e pela criação de condições para mães e pais poderem desenvolver as suas carreiras profissionais sem serem prejudicados pela circunstância de terem de cuidar dos seus filhos.

Medidas que, como acrescentou, exigem «doses de investimento grandes», inacessíveis a países como Portugal, que tem dos «piores números europeus» em termos de demografia mas que, dada a crise, não dispõe de recursos financeiros para uma «intervenção política eficaz» no apoio à natalidade.

«Deve haver um programa europeu para a natalidade, um conjunto de fundos europeus, aplicáveis aos 28 países», reiterou.

O arcebispo de Braga classificou a baixa taxa de natalidade como um dos «problemas mais graves» do país e defendeu um maior empenho por parte da Igreja e da União Europeia para inverter a tendência.