A população da ilha da Culatra está reunida junto ao porto de abrigo, afastado da mesa de voto e solidária com o apelo lançado pela associação de moradores para que não fossem votar nas eleições europeias de hoje, disse a presidente.

Silvia Padinha, da Associação de Moradores da Cultara, disse à Lusa que a situação «demonstra a união de toda a população» para protestar contra o poder político devido à falta de legalização das habitações existentes nos três núcleos habitacionais ¿ Culatra, Hangares e ilha do Farol - da ilha da Ria Formosa, que pertence ao concelho de Faro.

«Estamos todos concentrados no porto de abrigo e sentimos que a população está connosco porque estamos a lutar pelo direito à habitação e ao trabalho», afirmou Silvia Padinha, frisando que, além da pretensão antiga de legalização das casas, estão em causa os impedimentos que a zona de produção aquícola da Armona tem provocado na comunidade piscatória locais.

Impedidos de passar na zona onde está instalada a zona de produção aquícola, os pescadores ficam privados de «uma zona extensa de mar em que não pode pescar, como fizeram toda a vida», de acordo com a Associação de Moradores.

«A Associação de Moradores não impede ninguém de votar, as mesas de voto vão continuar abertas e quem quiser vota, mas a população está solidária com a nossa luta», disse o representante do núcleo dos Hangares, António Ferreira, convencido de que a população irá cumprir e não votar nestas eleições.