O antigo presidente dos sociais-democratas Luís Filipe Menezes considerou hoje que Paulo Rangel tem atualmente mais prestígio do que o PSD e manifestou-se convicto de que este vai reeditar a vitória obtida nas europeias de 2009.

O ex-presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia juntou-se à campanha da Aliança Portugal em Valpaços, onde a coligação PSD/CDS-PP visitou uma adega cooperativa vinícola, para mostrar que os sociais-democratas não estão nestas eleições europeias «divididos, cada um a puxar para o seu lado» e declarar apoio ao cabeça de lista, Paulo Rangel.

«Eu estou com o doutor Paulo Rangel a 200%, de alma e coração, por convicção, porque, como afirmei no congresso do meu partido, considero que é uma personalidade que está acima do prestígio hoje em dia que o próprio partido tem», declarou aos jornalistas. «Estou convencido de que o doutor Paulo Rangel vai de novo reeditar o sucesso que teve há cinco anos», acrescentou.

Luís Filipe Menezes contestou a ideia de que Paulo Rangel não o apoiou na sua candidatura à presidência da Câmara Municipal do Porto, nas autárquicas do ano passado: «Isso não é verdade, mas, se fosse verdade, só fortalecia estarmos os dois juntos agora. Não é essa a minha opinião».

Questionado se estas eleições podem constituir um teste à liderança do PSD, respondeu: «Se o doutor Rangel como cabeça de lista e o PSD tivessem 3%, era um teste à liderança do PSD, mas como esse cenário está fora de questão - neste momento o que é realista, o que todos os estudos de opinião demonstram é que estamos numa luta relativamente cerrada -, julgo que é muito mais um teste à liderança do PS do que à do PSD».

Referindo que Paulo Rangel «já ganhou sozinho, e num momento muito difícil, uma campanha para o PSD, e o PSD até veio a perder as eleições legislativas a seguir», Luís Filipe Menezes afirmou estar «muito confiante» na escolha que os portugueses vão fazer para o Parlamento Europeu.

Para além de Paulo Rangel, o antigo presidente do PSD elogiou também o primeiro candidato indicado pelo CDS-PP e quarto da lista da Aliança Portugal, Nuno Melo: «São duas figuras proeminentes dos dois partidos e, em meu entender, com enorme prestígio na sociedade portuguesa. Não precisavam da ajuda de ninguém para fazer uma grande campanha».

Com Paulo Rangel ao seu lado, e Nuno Melo mais à distância, Luís Filipe Menezes reforçou: «Estamos a falar de políticos que têm uma enorme credibilidade na sociedade portuguesa».