O atraso na abertura das mesas de voto em Magueija (Lamego) e a tentativa de boicote em Mosteiro de Fráguas (Tondela) marcaram hoje o início da votação para as eleições europeias no distrito de Viseu.

O presidente da Câmara de Lamego, Francisco Lopes (PSD/CDS), contou à agência Lusa que em Magueija o presidente da Junta de Freguesia, Gilberto Silva (PS), só entregou os boletins de voto depois da intervenção da GNR, devido a alegadas rivalidades com a sua antecessora, que é presidente de um rancho folclórico que está instalado na antiga escola primária onde decorre o ato eleitoral.

«O presidente da Junta só depois de instado pela GNR é que compareceu, às 08:45, com os boletins de voto», explicou Francisco Lopes, lamentando que «a rivalidade e o desentendimento pessoal e político entre ele e a anterior presidente da junta» tenha levado a esta situação.

Segundo o autarca, o ato eleitoral decorre numa das duas salas da antiga escola primária, que estão cedidas ao rancho.

«O presidente da Junta propôs que uma sala ficasse para uma associação etnográfica a que ele pertence e a outra para a banda filarmónica, expulsando o rancho que já lá está instalado», contou.

Francisco Lopes acrescentou que lhe propôs que uma sala ficasse para a associação etnográfica e a outra para o rancho, mantendo-se a banda nas instalações onde se encontra atualmente, mas «ele recusou».

No âmbito desta polémica, o presidente da Junta de Freguesia «recusou liminarmente qualquer tipo de participação neste processo pelo facto de as eleições irem decorrer numa sala que está cedida ao rancho», lamentou.

A Lusa tentou, sem sucesso, falar com Gilberto Silva.

No concelho de Tondela, à semelhança do que tinha acontecido nas eleições autárquicas, em setembro do ano passado, houve uma tentativa de boicote às eleições na antiga escola primária de Mosteiro de Fráguas.

Segundo o presidente da Câmara, José António Jesus, Tondela (PSD), «a metodologia foi outra vez cola nas fechaduras, mas com a intervenção do serralheiro a situação foi logo resolvida» e as mesas de voto abriram às 08:00.

«Havia óleo no chão e cola nas fechaduras. Desta vez não houve cadeados», contou.

José António Jesus explicou que não estava ninguém no local que tivesse justificado o ato, mas que a motivação terá sido o protesto contra a reforma administrativa, que agregou a freguesia de Mosteiro de Fráguas à de Vilar de Besteiros, tal como aconteceu nas autárquicas.