O eurodeputado do CDS-PP Nuno Melo considerou, esta sexta-feira, «de prudente» a declaração do primeiro-ministro e presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, que quinta-feira referiu «ser natural» que os dois partidos concorressem coligados às eleições legislativas.

«Acho que o primeiro-ministro tem uma declaração prudente e que faz todo o sentido, tendo em conta a distância a que estamos das eleições legislativas e sendo certo que pelo caminho ainda temos umas europeias», disse Nuno Melo, em declarações à agência Lusa.

Para o eurodeputado, as coligações, quando têm de acontecer, «não se fazem em comentários televisivos, nem antes dos partidos avaliaram as circunstâncias concretas», e, eventualmente, antes de estabelecerem «bases para quaisquer negociações».

O primeiro-ministro e presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, considerou quinta-feira que «seria natural» o seu partido e o CDS-PP irem coligados às legislativas, mas ressalvou que ainda não falou sobre isso com o líder centrista, Paulo Portas.

Em entrevista à TVI e à TSF, questionado sobre se PSD e CDS-PP concorrerem coligados às legislativas é uma possibilidade, Pedro Passos Coelho respondeu: «Acho que não se pode encarar com estranheza. Seria natural que assim acontecesse, mas não estou com isto a dizer que é isso que vai acontecer».

«Eu não vejo nenhuma necessidade de estar a criar problemas ao doutor Paulo Portas [presidente do CDS-PP e vice-primeiro-ministro], como ele seguramente não vê nenhuma necessidade de estar a criar problemas ao líder do PSD. Ora, nós não conversámos sobre isto e, portanto, não tomámos nenhuma decisão relativamente a esta matéria que fossemos propor aos nossos partidos», ressalvou.

Nuno Melo escusou-se a comentar a eventual aliança partidária às europeias, apesar de reconhecer ser o ciclo eleitoral imediato, afirmando apenas que as mesmas serão tratadas a seu tempo, já que vão acontecer após os congressos, tanto do PSD como do CDS-PP.