A eurodeputada social-democrata Maria da Graça Carvalho vai abandonar o mandato no fim deste mês e regressar às funções de conselheira da Comissão Europeia, sendo substituída nos meses de maio e junho por Joaquim Biancard Cruz.

«Penso que cumpri integralmente aquilo que me propus a mim própria, os portugueses deram-me a confiança do voto, eu dediquei-me e escolhi áreas que considero importantes para os portugueses e para a Europa, mas também que têm muito a ver com a minha experiência profissional», afirmou a eurodeputada do PSD e antiga ministra do Ambiente aos jornalistas em Estrasburgo, durante a última sessão plenária do Parlamento Europeu.

A antiga governante, ligada às áreas da ciência, ensino superior, energia e alterações climáticas, confessou que não se «importaria de ficar mais cinco anos» nas funções de eurodeputada, mas que também não ficou «surpreendida» por não integrar as listas da coligação PSD/CDS-PP.

«Eu vim para o Parlamento Europeu para fazer cinco anos e cumpri até o último dia as minhas obrigações, estava na Comissão Europeia, que é para onde vou voltar, os cargos são para serem temporários e a renovação é algo muito salutar em democracia», declarou.

Questionada sobre esta opção, Graça Carvalho respondeu querer regressar ao Gabinete de Conselheiros de Política Europeia (BEPA) porque «a partir do fim desta semana não há atividade parlamentar».

«Eu cumpri o meu trabalho todo, esta é a última semana de trabalho, ainda tive trabalho, ainda hoje foi votado um relatório sobre os ensaios clínicos e a investigação científica sobre a tuberculose em África, de que fui relatora sombra, e que me deu ainda bastante trabalho, portanto eu cumpri todo o meu trabalho até quinta-feira, a partir daí os colegas que são candidatos têm o trabalho da campanha, os que não são não têm atividade», sustentou.

«É uma opção, há quem decida ficar e eu como no outro lugar para onde vou há muito a fazer e eu não gosto muito de estar parada, gosto de estar a trabalhar, e decidi ir no princípio de maio», disse.

A eurodeputada será substituída em maio e junho por Joaquim Biancard Cruz, que estava em nono lugar nas listas do PSD e do CDS em 2009, e que já foi vice-presidente da JSD e antigo mandatário para a juventude na candidatura de Manuela Ferreira Leite à presidência do PSD.

Graça Carvalho considerou que a lista da Aliança Portugal «tem pessoas com muita experiência, experiência diversificada, experiência autárquica, experiência sindical, experiência como deputados».

«Há várias maneiras de fazer listas e esta foi a opção do partido», concluiu, salientando ainda ter tido «sempre muito boa relação com os ministros» que tutelaram as suas áreas de trabalho.