«De facto, a União Europeia apresenta debilidades estruturais em matéria energética como resultado de uma dependência quase absoluta do gás russo de muitos dos seus países. A Argélia é já um fornecedor muito importante de hidrocarbonetos à União Europeia e acreditamos que pode intensificar a cooperação bilateral nesta matéria, tendo em vista a diversificação de fontes de abastecimento energético à União Europeia.».


«Também neste caso, a União Europeia, que é um grande importador líquido de energia, poderia beneficiar, em termos de segurança, mas também de preço e de sustentabilidade ambiental, de mais interconexões com países com grande potencial para a produção de energia com base em fontes limpas, como é o caso da Argélia.»












«Estamos a olhar aqui também para todas as possibilidades dos países europeus de poderem beneficiar de uma segurança maior no abastecimento de gás natural à Europa, por um lado, mas também de uma maior competição pelos preços, que deverão refletir-se nas nossas economias com custos mais competitivos.»


Esta é a primeira visita que Pedro Passos Coelho faz a um país do Magrebe desde que é primeiro-ministro. As três anteriores cimeiras luso-argelinas realizaram-se no tempo dos governos socialistas chefiados por José Sócrates, em 2007, 2008 e 2010.