O Bloco de Esquerda (BE) lamentou, esta quinta-feira, os cortes orçamentais na área da Saúde, declarando que o Ministério tutelado por Paulo Macedo «não pode ser o 'back office' do Ministério das Finanças».

«É inteiramente falsa a afirmação do ministro de que a austeridade e os cortes não estão a ter influência no funcionamento, na atividade e na qualidade dos serviços. Isso é uma rotunda falsidade», disse o coordenador do Bloco João Semedo à agência Lusa.

O bloquista falava no Parlamento depois de um encontro de mais de uma hora com representantes da Federação Nacional dos Médicos (FNAM), onde foram debatidas questões como a urgência metropolitana de Lisboa e os profissionais confirmaram um «quadro muito negativo» da situação atual do setor da Saúde.

«Não há dia nenhum em que os jornais não divulguem situações completamente inacreditáveis», advertiu João Semedo.

O Bloco tem vindo a promover um «Roteiro da Saúde», com o coordenador do partido a visitar diferentes unidades hospitalares e a ter encontros com administrações dos hospitais e também profissionais do setor, como foi hoje o caso da FNAM.