O ministro da Defesa, Aguiar-Branco, disse este sábado, no Porto, que respeita alguns protagonistas do 25 de Abril de 1974 «mais por aquilo que fizeram do que por aquilo que agora dizem».

«Acho que devemos ser tolerantes e respeitadores. Em relação a alguns protagonistas eu respeito-os mais por aquilo que fizeram do que por aquilo que agora dizem», afirmou o ministro.

Questionado sobre as comemorações dos 40 anos do 25 de Abril em Lisboa, que se dividiram, nomeadamente, entre as celebrações oficiais no Parlamento e uma homenagem a Salgueiro Maia no Largo do Carmo, organizada pela Associação 25 de Abril, Aguiar-Branco, frisou que «comemorar o 25 de Abril é ser tolerante, é respeitar todas as formas de expressão, de manifestação e de crítica».

«Eu vejo o exercício da liberdade dessa forma. Em democracia a legitimidade é assente no sufrágio direto e universal do povo português. Quem for dessa época lembra-se do slogan ilustrativo 'A arma do povo é o voto', no dia em que retirarmos essa arma ao povo não estamos a cumprir Abril», sublinhou o ministro.

Aguiar-Branco falava na inauguração da exposição fotográfica do 20.º Aniversário da Regate do Infante, patente no edifício da Alfândega até 4 de maio.