O ministro da Presidência defende um «tratamento prioritário» para qualquer problema que surja nas relações entre Angola e Portugal, sublinhando que as relações entre os dois Estados são «privilegiadíssimas» e «muito acarinhadas».

«As relações entre o Estado português e o Estado angolano são relações privilegiadíssimas e relações que devem ser muito acarinhadas e são muito acarinhadas pelo Estado português», afirmou o ministro da Presidência, Luís Marques Guedes, quando questionado sobre que diligências está o Governo a tomar para recuperar «a parceria estratégica» com Angola na sequência das declarações do presidente angolano, José Eduardo dos Santos.

Ressalvando não ter nada de concreto a adiantar porque esse assunto não foi tratado no Conselho de Ministros realizado esta manhã, e que não contou com a presença nem do primeiro-ministro, nem do ministro dos Negócios Estrangeiros, que estão na América Latina, Marques Guedes acrescentou, contudo, que qualquer problema que surja nas relações entre Portugal e Angola deve ter tratamento prioritário.

«Seguramente qualquer problema que surja nessas relações terá sempre que ter um tratamento prioritário e um tratamento adequado no sentido de preservar os laços especiais que existem entre Portugal e Angola, como de resto entre todos os países de língua oficial portuguesa», defendeu.