O histórico militante socialista Manuel Alegre disse que o primeiro-ministro está a tornar-se um «político perigoso» e alertou que, se o Presidente da República não intervir rapidamente, haverá uma «grave degradação» do «sistema político democrático» português.

«Com os seus repetidos ataques ao Tribunal Constitucional (TC) e agora ao presidente do TC, o primeiro-ministro revela falta de cultura democrática e está a pôr em causa o próprio Estado de direito (...) e também o regular funcionamento das instituições democráticas», disse Manuel Alegre à agência Lusa.

Para o ex-candidato presidencial, Cavaco Silva deveria chamar a atenção a Passos Coelho: «Trata-se de uma pressão inadmissível e trata-se de pôr em causa a própria honorabilidade do presidente do TC».

O antigo deputado do PS falava um dia depois de Passos Coelho ter contrariado a ideia de que é preciso rever a Constituição para implementar as medidas necessárias ao cumprimento do programa de ajustamento, sublinhando que é apenas preciso «bom senso».

Alegre assinalou também que «maioria absoluta não é poder absoluto» e Passos Coelho, diz, «está a confundir» a maioria parlamentar absoluta de PSD e CDS-PP com poder absoluto.

«É nesse sentido que digo que ele [Passos Coelho] está a tornar-se um político muito perigoso. Se não houver uma intervenção rápida do Presidente da República para pôr cobro a esta situação, vamos assistir a uma grave degradação do nosso sistema político democrático», declarou o histórico socialista.

Os partidos políticos, «e sobretudo as forças da oposição», devem pedir uma «intervenção urgente ao Presidente da República para pôr cobro a este ataque repetido e insistente ao TC, um órgão fundamental no equilíbrio no Estado de direito e no funcionamento da nossa democracia», considerou ainda.