O antigo Presidente da República Mário Soares questionou a razão pela qual o atual chefe de Estado não é julgado por causa do caso BPN, considerando que nenhum responsável respondeu perante a justiça.

Falando a propósito das recentes declarações do presidente angolano acerca do fim da parceria estratégica com Portugal e sobre a responsabilidade do ministro dos Negócios Estrangeiros, Mário Soares recuperou o caso do BPN, questionando as razões por que ninguém foi julgado.

«Nunca ninguém julgou, todos roubaram, mas nunca julgou, como é sabido. Por que é o Presidente da República não é julgado?», questionou Mário Soares, que falava aos jornalistas no final de um almoço na Associação 25 de Abril, numa iniciativa promovida pelo blogue «ânimo», integrada nas comemorações do 40.º aniversário da «Revolução dos Cravos».

Interrogado sobre se entende que o atual chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, deveria ser julgado, Mário Soares respondeu apenas sobre a ausência de intervenção do Presidente da República.

«O Presidente da República deve intervir se quiser ser Presidente da República, agora se ele quer chefe de um partido é outra coisa», disse, insistindo depois que Cavaco Silva «é chefe de um partido».