Almeida Santos começou por beliscar as ideologias políticas convidadas para o XVI Congresso Nacional do PS, caracterizando os partidos presentes como «uns irmãos do PS, outros nem tanto».

Siga o congresso AO MINUTO

Coube a Edite Estrela ler a longa lista de convidados presentes, com destaque para os dirigentes do partido comunista chinês, aplaudidos pela maioria dos delegados e militantes, num pavilhão claramente mais cheio este sábado.

Entre os países de língua portuguesa, há representantes do Movimento Popular de Libertação de Angola, do Partido Democrático Trabalhista do Brasil, do Partido dos Trabalhadores também do Brasil, do Partido Africano da Independência de Cabo Verde, do Partido Africano para a Independência da Guiné e de Cabo Verde e do Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe-Partido Social Democrata.

Da Europa vieram o Partido Socialista da Bulgária, o PSOE espanhol, o Partido Socialista francês, o Partido governamental da Grécia, o Partido trabalhista da Holanda, o Partido democrático de Itália, o Partido Socialista da Polónia, o PSD da Suécia, o Partido da Sociedade Democrática da Turquia, o PS da Ucrânia, o presidente do grupo parlamentar do PS na União Europeia e outros socialistas europeus.

Do resto do mundo, destaque para a presença de dirigentes de nacionalidade portuguesa na Venezuela, uma vez que Hugo Chávez, convidado para o congresso, não compareceu, nem nenhum representante do Partido Socialista Unido da Venezuela. Representantes de partidos de Marrocos e da Tunísia também viajaram até Espinho, para além de muitos outros embaixadores.