O ex-presidente da República, Jorge Sampaio, defende que em tempos de crise é preciso que o Governo tenha maioria absoluta.

A seis meses das legislativas, o antigo chefe de Estado refere, em entrevista à Rádio Renascença, que «sofreu como Presidente da República o que é a instabilidade, o que é a precariedade dos actores políticos quando estão num conjunto de processos de instabilidade absoluta».

E classificou a maioria absoluta de «fundamental, numa crise que estamos a atravessar, que não se resolve até ao fim do ano, como toda a gente já percebeu».

Sampaio defende que o Executivo deve ouvir, mas decidir acima de interesses corporativos.

«Qualquer Governo que sai de umas eleições - tem o seu programa sufragado e legítimo, tem que ouvir os interessados ¿ mas, tem que decidir», defende Jorge Sampaio, sublinhando que a decisão não pode ficar paralisada, «em grande parte, impedida por esta proliferação de interesses cooperativos, em que o interesse geral está muitas vezes posto de lado».

Na opinião do antigo chefe de Estado, rompe-se com este estado de coisas com uma democracia mais profunda e órgãos de comunicação social mais abertos.