A Comissão Política do PS aprovou esta quinta-feira, por unanimidade, o regulamento do novo Gabinete de Estudos, entidade que preparará o programa eleitoral socialista, que pretende assumir-se como alternativa ao modelo político do atual executivo.

Em declarações aos jornalistas, o diretor do Gabinete de Estados do PS, o ex-secretário de Estado João Tiago Silveira, disse que o programa eleitoral do seu partido terá como preocupação central «informar e ajudar as pessoas a perceber a diferença» entre a proposta dos socialistas e a governação PSD/CDS.

«O Governo PSD/CDS apostou num modelo de baixos salários para aumentar a competitividade do país, mas falhou na competitividade e no equilíbrio das contas públicas. Pelo contrário, o PS aposta em ir à raiz dos problemas, à qualificação das pessoas e ao aproveitamento dos recursos, tendo em vista fazer crescer a economia e ao mesmo tempo equilibrar as contas públicas», defendeu o ex-secretário de Estado da Presidência.

João Tiago Silveira afirmou que a prioridade máxima do Gabinete de Estudos do PS é «voltar a contactar com todos aqueles que têm colaborado» com o seu partido, destacando o caso das pessoas que estiveram envolvidas no anterior Laboratório de Ideias e Propostas para Portugal (LIPP), organismo que foi criado pelo ex-secretário-geral António José Seguro.

Neste contexto, o ex-secretário de Estado da Presidência referiu-se também aos elementos da Fundação Respública do PS, às pessoas que têm colaborado com os deputados socialistas do Parlamento Europeu e a estruturas de caráter mais informal, caso do grupo que neste momento prepara para o secretário-geral, António Costa, o cenário macroeconómico para posterior formulação das propostas económicas e financeiras deste partido.

«Queremos diálogo com a sociedade civil e queremos reestabelecer esses canais de comunicação para fazer propostas melhores», acrescentou.