O Presidente da República apelou, este sábado, aos portugueses que votem domingo numas eleições particularmente importantes para o futuro. Aníbal Cavaco Silva reiterou que "não são admissíveis soluções governativas construídas à margem do Parlamento, dos resultados eleitorais e das forças partidárias."

"As eleições de amanhã realizam-se numa altura crucial para o país. Como disse aos portugueses, quando marquei o dia das eleições, todos os atos eleitorais são importantes, mas este ato eleitoral é particularmente importante para o futuro de Portugal", afirmou o chefe de Estado, numa comunicação a propósito das eleições legislativas, que se realizam no domingo.


Insistindo que a escolha que os portugueses vão fazer é determinante para o futuro e que os desafios que se colocam "exigem de todos um grande sentido de responsabilidade", Cavaco Silva lembrou que das eleições de domingo para a Assembleia da República dependerá a formação do novo Governo.

E, acrescentou, "não são admissíveis soluções governativas construídas à margem do Parlamento, dos resultados eleitorais e das forças partidárias."


Na tradicional mensagem que o Presidente da República endereça antes de cada ato eleitoral, Cavaco Silva congratulou-se ainda com o facto da campanha ter decorrido de um modo geral com serenidade, considerando que os portugueses estão agora mais informados e esclarecidos sobre as propostas das forças políticas,

Por isso, sublinhou, no domingo "devem exercer um direito que só existe porque vivemos numa democracia", sendo o voto uma afirmação de liberdade e um instrumento a que não se deve renunciar.

"A abstenção não é solução. Abster-se de votar é desistir do presente e abdicar do futuro. Quem opta pela abstenção, prescinde de ter uma voz ativa e de participar na construção de um Portugal mais desenvolvido e mais justo", disse apelando para que no domingo todos reservem um espaço para o exercício do direito de voto.

"Entre afazeres profissionais, compromissos familiares, assistir a jogos de futebol ou outras atividades desportivas e de lazer, não deixem de incluir a deslocação à secção de voto, entre as 8 da manhã e as 7 da tarde. Não faltem. É isso que vos peço. O futuro do país justifica que todos vão votar, mesmo que o tempo não ajude", frisou.