A Comissão Nacional de Eleições (CNE) esclareceu esta segunda-feira que o prazo para entrega das listas de candidatos às eleições regionais antecipadas na Madeira termina às 18:00.

Em comunicado é ainda referido que o local de apresentação das candidatura é a instância local secção cível do Tribunal Judicial da Comarca da Madeira, no Funchal.

Nas últimas eleições legislativas neste arquipélago, que decorreram a 09 de outubro de 2011, concorreram nove forças políticas - PSD, CDS, PS, PTP, MPT, PAN, PND, BE e a coligação CDU.

Nesse ato eleitoral, o PSD/M, apesar de ter registado o seu pior resultado de sempre neste tipo de sufrágio, conseguiu assegurar a sua 9.ª maioria absoluta, conquistando 25 dos 47 lugares no parlamento da Madeira, ao obter 71.556 votos (48, 56%).

O CDS elegeu nove deputados e passou a ser a segunda força mais votada, seguindo-se o PS (6), o PTP (3), enquanto a CDU, o PND, o MPT, o PAN ficaram com um representante cada. O Bloco de Esquerda deixou de ter lugar no parlamento madeirense.

As eleições regionais antecipadas de 29 de março surgem na sequência das eleições internas no PSD/Madeira, o partido que governa este território desde 1978, que numa segunda volta (29 e dezembro 2014) escolheu Miguel Albuquerque para suceder ao líder de sempre dos sociais-democratas madeirenses, Alberto João Jardim.

O novo líder do PSD/M exigiu a realização de eleições antecipadas para garantir a sua legitimação democrática e Jardim, que exercia o cargo de presidente do Governo Regional da Madeira, apresentou o seu pedido de exoneração.

Depois de cumpridos os requisitos legais, que passou pela audição dos partidos com assento na Assembleia Legislativa da Madeira e convocação do Conselho de Estado, o Presidente da República convocou as eleições para 29 de março.