O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, disse que a eleição de nove eurodeputados da coligação de centro-direita às europeias de maio é o objetivo ambicionado.

Na abertura das jornadas parlamentares do PSD, e dirigindo-se a Mendes Bota, deputado e candidato ao Parlamento Europeu no nono lugar das listas PSD/CDS-PP, disse: «A sua eleição vai significar o resultado que ambicionamos nas europeias».

Luís Montenegro falava na abertura das jornadas parlamentares sociais-democratas, que decorrem em Viseu até terça-feira.

Falando para Paulo Rangel, cabeça de lista da coligação ao hemiciclo europeu, o líder da bancada social-democrata disse que o eurodeputado tem nos deputados «laranjas» 108 «soldados disponíveis« para apoiar os candidatos no transmitir da mensagem de qual o Portugal que se pretende para ter voz no Parlamento Europeu.

«Somos daqueles que acreditam que o futuro do nosso país e da Europa se joga na capacidade de estabelecer compromissos com os nossos parceiros. Podemos ter ideias diferentes mas temos indiscutivelmente de aproximar posições com os nossos parceiros para podermos cumprir o objetivo da União Europeia», realçou Luís Montenegro.

Em 2009, concorrendo em listas separadas, os dois partidos elegeram no total 10 eurodeputados (oito o PSD e dois o CDS-PP).

Em 2004, a última vez que PSD e CDS-PP se apresentaram coligados às eleições europeias, a lista «Força Portugal» era encabeçada pelo ex-ministro social-democrata João de Deus Pinheiro e conseguiu eleger nove eurodeputados.

Dos nove, dois foram indicados pelo CDS-PP: Luís Queiró (que estava em quarto lugar na lista conjunta) e Ribeiro e Castro (o nono candidato).